SEGUIDORES

segunda-feira, 23 de março de 2009

Ana e Penina. Esposa e a amante disputando o mesmo homem.

Por Pr Ismael.

Mensagens espirituais para a família: leia antes I Samuel 1:1-28; 2:18-21

Existem coisas ruins que acometem a família e às vezes por ser tão freqüente na sociedade acaba conformando, ou seja, dando forma de mundo ao coração das pessoas, até mesmo aqueles que são crentes em Cristo.

Ficam com cara de mundo, agem como o mundo age, falam como o mundo fala. As pessoas estão se acostumando com o mal e admitindo que ele faça parte de suas vidas, é como se fosse algo imutável, que não tem alternativa, outras jogam a toalha e desistem.

Deus tem me provocado para dizer que mesmo nos dias de hoje, o "tudo é possível" de Deus, continua sendo possível e que os seus olhos ainda passam por toda a terra para usar de bondade para com aqueles que O temem.

Não precisamos nos conformar com o mundo, mas renovar o nosso coração e a nossa fé e assim continuar lutando para que de repente os olhos do Senhor se detenha sobre a nossa vida e a sua graça nos inunda.

Quero falar da história de uma mulher guerreira chamada Ana, boa esposa, amada pelo marido, filha do Deus Altíssimo, uma adoradora , mas que não tinha filhos, pois era estéril. (impressionante o estrago que esse “mas” faz na vida de Ana)

E essa condição de estéril, dava por assim dizer quase que uma autorização para que o seu marido tivesse uma outra mulher para com ela gerar filhos e dela suscitar descendência, embora não fosse essa a vontade de Deus.

O marido de Ana se chamava Elcana e era um desses homens, tinha dentro de sua casa uma segunda mulher, uma mulher para com ela se deitar , uma mulher para o seu prazer, um caso, uma amante, uma outra, como você quiser, o certo é que ele dividia o seu amor com outra mulher e isso dentro de sua casa.

Ana com um aperto na sua alma, um nó na garganta não se conformava embora fosse isso tão “normal” naqueles dias, era socialmente aceito, quem sabe seria mais fácil mudar de pensamento, aceitar e pronto, mas não Ana.

Penso que Ana era uma daquelas mulheres que dizem pra si mesmas: “eu sou do meu amado e o meu amado é meu, só meu”....

Conviver com a outra dentro de casa não era fácil para Ana, mas havia ainda mais um complicador, a tal da amante era do tipo “barraqueira”, gente pequena.

Ela não que não se contentava com a posição de amante e queria aquele homem para si e por isso afrontava Ana, irritava demais, numa tentativa de puxá-la para baixo, fazer com que a disputa ficasse num nível que ela estava acostumada e assim pudesse ficar em pé de igualdade.

Penina conhecia o marido de Ana, o que ela não conhecia era o Deus de Ana.

O texto diz que ela provocava “excessivamente”.Já pensou o que é isso ? Ter que aceitar a amante do marido dentro de casa e ainda ter agüentar os desaforos, as infâmias, as instigações e o chamamento para briga.

Elcana via tudo aquilo, sofria porque gostaria que as coisas continuassem como estavam e tão somente não houvesse brigas e confusões. Ele sofria, mas não se decidia, não tomava partido, tentava concilar as coisas.

Ele queria continuar com aquilo e Penina sabia disso,ela tinha o que Ana não tinha.

Veja que ela era uma amante com um nome, isso deixa claro que a situação estava consolidada, não era um caso secreto, passageiro, um deslize, uma paixão, não, era algo patente e firme.

O que Penina não sabia era que o Deus de Ana não fica indiferente diante da injustiça e da maldade humana.

Ana tinha um Deus e isso fazia a diferença entre as duas.O Profeta Malaquias disse que há uma diferença entre o que serve e o que não serve a Deus.


Quantas mulheres hoje vivem uma história parecida, com marido vivendo seus amores escondidos ou não e cujo andamento faz crer que não há muitas possibilidades de mudança.

Alguém poderia quem sabe pensar consigo mesmo e entender de uma vez por todas que não valia a pena sofrer por aquele amor, talvez fosse melhor até uma separação, mas não Ana.

Olha, o que eu vou dizer agora, serve para todas as pessoas, homens e mulheres, em todos os lugares e em todos os tempos, serviu ontem, serve hoje e vai servir amanhã:

"Deus continua passando pelas nossas vidas e Ele se detém quando encontra um dos seus, que O teme e que Nele espera, mesmo quando todos a sua volta já desistiram, quando a coisa ruim já está acomodada, já arrumou o seu ninho dentro de nossa casa ou na nossa vida.

O Senhor se detém para fazer justiça, tornar reto o que aos seus olhos está torto, e esse é o Deus de Ana.

E numa dessas passadas de Deus, Ele encontrou Ana, chorando por dentro, balbuciando palavras que só os dois sabem quais foram. E nesse dia, penso que Ele falou para Ana o mesmo que disse para a sua mulher(Jerusalém):

´Eu passei por ti e vi-te, você estava formosa, mas estava nua e Eu te cobri com minha capa e ti tomei para ser minha.”

O Deus de Ana tirou o “mas” de sua história , colocou nela aquilo que o marido só encontrava na outra, a capacidade de gerar filhos.

Deus coloca em suas Anas que lêem esta mensagem, aquilo que porventura esteja faltando para que os seus maridos se decidam por elas.

Na próxima vez que Ana subiu ao templo, levou consigo o menino que Deus lhe deu, e o chamou Samuel, ele seria um homem honrado sobre a face da terra.

Ana estava feliz, Elcana, seu marido, estava feliz, mas onde está agora a outra, a Penina?

A Bíblia nem faz menção dela mais, caiu no esquecimento, ficou pelo caminho, deixou de ser importante na vida de Elcana.

A seguir diz que o sacerdote abençoou Ana,o seu marido e o menino .Acabaram-se as afrontas e provocações. Estava feita a justiça de Deus. Ana ainda ganhou outros filhos e filhas.

Se Deus tratou de alguma forma com você, faça uma oração e peça ao Senhor aquilo que está faltando para você ser feliz com seu marido.Peça para Deus tirar da vida do seu marido aquelas coisas que hoje ele por si só não consegue se desvencilhar,parecem importantes, mas que ferem o teu coração, que as Peninas sejam tiradas, que as Anas seja exaltadas.

Um forte abraço, no amor de Jesus.

Pr Ismael e Pra Cleire.

2 comentários:

Teresa Raquel ceara disse...

Penina não era amante de Elcana,ela também era esposa dele ,no final Penina morre e Ana teve seis filhos: primeiro foi o profeta Samuel e depois ela teve mais três filhos e duas filhas de Elcana,há uma passagem que ela fala: Sete vezes a estéril dá a luz,mas fenece a mãe de muitos filhos,é claro que nessa passagem ela se refere a Penina,a palavra Fenecer significa morrer,creio eu que além de mãe de sangue de 6 filhos,Ana se tornou a mãe de criação dos filhos de Penina,uma grande vitória para Ana.

Pastor Ismael R.Carvalho Carvalho disse...

Teresa Raquel, você tem razão, Penina era a segunda mulher. Considerando que aos olhos de Deus não há segunda mulher, por isso me aventurei a tratá-la de amante. A poligamia descrita na Bíblia era um hábito trazido das nações pagãs e que o povo de Deus, os homens, trataram logo de seguir também, mas o fato de estar na Bíblia não significa que Deus concordava ou que fosse uma doutrina possível para o seu povo. Obrigado pelo comentário interessante.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...