SEGUIDORES

Google+ Followers

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Um marido irado dentro de casa.

Por Pastor Jamir Sbrana, site http://www.jamirsbrana.com.br

Convivendo com um marido irado · O problema é mais freqüente do que pensamos. Para cada mulher que se dispõe a falar sobre o assunto, há dezenas com medo demais para dizer alguma coisa.

· A violência e a ira doméstica merecem atenção imediata, mesmo quando há apenas um pequeno sinal do problema.

· Como os demais pecados, encontramos a ira violenta entre os membros da igreja também. Reputação e dinheiro podem mantê-la oculta por mais tempo, mas ela se encontra igualmente distribuída nos diferentes grupos étnicos e sociais.

· Homens e mulheres inclusive, enganam-se ao subestimar o quão difícil pode ser conviver com um cônjuge irado.
A ira e a violência doméstica não se manifestam em público. Você não as vê. As esposas que são alvos da ira costumam ser as últimas a falarem a respeito da existência de um problema conjugal, pois carregam um sentimento de vergonha por serem agredidas pela pessoa que, supostamente, melhor as conhece.

Onde existe alguém irado com toda certeza existe outro alguém agredido, que geralmente silencia. Mas o silêncio não é uma opção na vida cristã. Isto porque os dois, irado e agredido, vivem diante do Deus que ouve e se importa. O Deus Santo é o Pai que pede insistentemente que Seus filhos O busquem quando há um problema – I Crônicas 16:11; Salmo 9:10.

Quando o pecado da ira é trazido à luz, o irado tem a oportunidade de se voltar para Deus e assim afastar-se da ira de Deus – Isaías 55:6,7.

O comportamento de uma pessoa irada se traduz em palavras de insulto que pareceriam infantis se não fossem tão ofensivas, profanação, ordens, ameaças, contato físico com fúria, repressão, empurrões. Podem acontecer intervalos ocasionais quando a pessoa irada chega até a demonstrar certa gentileza e compra presentes para simbolizar arrependimento, mas não pense que a ira está morta. O vulcão está adormecido, mas não extinto. Ele não some com o tempo; só acumula maior velocidade e intensidade.

A ira vicia. Ela dá à pessoa irada aquilo que deseja: autoridade, controle, influência e a sensação de ser respeitado.

A pessoa vitimada pela ira sente solitária, isolada. Mas para quem já professou sua fé em Jesus, a Palavra garante que o Espírito Santo está sempre com ela; jamais a deixa e nunca a abandona. Ela está em comunhão com o Espírito por causa da obra terminada de Cristo, e ninguém é forte o suficiente para quebrar este vínculo. O Espírito Santo também é o Espírito da verdade, o que significa que:

> Ele testifica sobre Jesus Cristo – João 14:16 – O Espírito está com Jesus desde o princípio. O Espírito é testemunha da cruz de Cristo e da ressurreição. O Espírito é testemunha do fato de que Cristo reina no presente. Isto é precioso para uma mulher que está confusa pelas acusações incessantes de seu marido.

> O Espírito vem até você e imprime a realidade de Cristo e da cruz em seu coração. Ele dará a você clareza na situação em que você vive. Esta clareza começa por uma visão clara do caráter de Deus e do evangelho de Cristo.

O Espírito Santo é o Espírito de Sabedoria que conhece a mente do Pai – I Coríntios 2:11 – e guiará a vítima da ira sobre como agir, como responder, o que fazer, o que dizer – Lucas 11:11-13. Por isso busque e peça uma consciência maior de Sua proximidade. Esta é a verdade de Deus, e uma vez que a mulher destruída e despedaçada estiver espiritualmente orientada, ela será abençoada – II Timóteo 1:7. Ela se sente absolutamente impotente, inútil e desequilibrada. Porém, ela possui o Espírito do Deus Vivo, o Espírito de poder, presença, verdade e sabedoria.

A graça de Cristo leva-nos à ação. Nossa fé se expressa em amor. Para a pessoa que passa por uma situação de abuso, o que significa falar e praticar a verdade em amor? Como você desarma uma pessoa irada, se é que isso é possível? Como essa mulher pode falar e praticar a verdade em amor no relacionamento com seu marido irado? Ela precisa dar pequenos passos, rodeada das orações de outras pessoas. Precisa também lembrar que seu marido foi criado à imagem de Deus; quando ela se aproximar dele, deve fazê-lo com respeito e humildade. Ela deve lhe pedir perdão se ocasionalmente não o tratou com respeito. Ele poderia usar essa confissão de pecado contra ela? Talvez. Um marido egoísta e irado pode usar qualquer coisa contra sua esposa. Porém, as reações do marido não devem afastá-la de uma conduta que agrada a Deus.

Mantenha o objetivo de desarmar com o inesperado. Como pessoas que receberam o evangelho, nossa mensagem e nosso método devem surpreender, desequilibrar e subverter as expectativas do mundo. Então, como essa mulher pode fazer o inesperado? Ela pode:>> Perguntar ao marido por que ele acha que ela é sua inimiga. Ele tem um motivo para a ira violenta que expressa contra ela? Ele quer realmente destruí-la e destruir o relacionamento conjugal?

>> Sair de casa quando ele estiver pecaminosamente irado. Deixar claro que a violência é errada: “Não. Pare. Até aqui chega”.

>> Por mais que esteja apavorada, deve atentar para o fato de que ele é quem está em perigo. Suas injustiças são, em última instância, contra Deus, e Deus se opõe aos opressores orgulhosos. É realmente assustador agir como um inimigo de Deus.

>> Assumir responsabilidades por suas reações pecaminosas, sem assumir a responsabilidade pelas ações do marido.

>> Dizer a ele como ela se sente ao ser alvo da sua ira e ódio. As pessoas iradas são cegas ao fato de como elas ferem os outros.

>> Falar com humildade, pois a humildade é mais poderosa do que a ira – Levítico 19:17.

>> Manter em mente Tiago 4:1,2. Não lutar como ele luta. Quando vê os desejos egoístas do marido chegarem ao extremo do descontrole, ela deve ter cuidado para não imitar esse comportamento.

>> Não minimizar o comportamento destrutivo do marido. A ira pecaminosa é chamada na Bíblia de ódio e assassinato – Mateus 5:21,22.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...