SEGUIDORES

Google+ Followers

terça-feira, 17 de abril de 2012

Pornografia no casamento, um desejo que não se satisfaz.

Patrick A. Trueman

O vício da pornografia é agora comum entre adultos e é até mesmo um problema crescente para crianças e adolescentes. Poucos dos que são viciados conseguirão ajuda, e as consequências podem durar a vida inteira, de forma grave.

A força viciadora da pornografia é consequência de mudanças neuroplásticas de longa duração, às vezes permanentes, no cérebro. 
O psiquiatra Norman Doidge, autor do livro best-seller “O Cérebro que se Transforma” (The Brain That Changes Itself, Penguin, 2007), escreve: “A pornografia, ao oferecer um harém interminável de objetos sexuais, hiperativa o sistema apetitivo. Os que veem pornografia desenvolvem novos mapas em seus cérebros, com base nas fotos e vídeos que veem. Pelo fato de que se não exercitarmos nosso cérebro, ele ficará fraco, quando desenvolvemos uma área de mapa, ansiamos mantê-la ativada. Exatamente como nossos músculos se tornam impacientes para exercício se ficamos o dia inteiro sentados, assim também nossos sentidos têm fome de ser estimulados” (108).
Com a pornografia, em outras palavras, o sistema de prazer de nosso cérebro que excita nossos desejos é ativado, mas não há real satisfação. Isso explica a razão por que usuários conseguem passar horas sem fim fazendo busca por pornografia na internet.
Doidge comenta, além disso, que os que veem pornografia desenvolvem tolerâncias de modo que eles precisam de níveis cada vez mais elevados de estímulo. 
Por isso, eles muitas vezes avançam para pornografia mais explícita e pervertida.
Ver pornografia muda a atitude do usuário para com o sexo, seu cônjuge e a sociedade. 
Ele ou ela usa fantasias sexuais para se estimular sexualmente, tenta fazer com que os parceiros imitem as cenas pornográficas, tem mais probabilidade de se envolver em assédio sexual ou agressão sexual, e vê o sexo como um privilégio casual, não íntimo e recreativo. 
Laydon e outros psicólogos clínicos relataram que, ironicamente, a disfunção erétil é comumente associada ao constante uso da pornografia entre os homens. 
Um dos motivos para isso é que a constante busca de imagens sexuais e masturbação que muitas vezes acompanha isso levam à insatisfação com o próprio cônjuge. 
Afinal, a esposa de um homem não consegue manter uma imagem que compita com as mulheres no mundo de fantasia dos vídeos e imagens pornográficos. O consumidor normal de pornografia se prepara para desapontamentos e desintegração quase certa de seu casamento.
O amor conjugal foi feito para ser uma entrega total de si para um parceiro permanente e fiel. É uma entrega confiante e abnegada. Em contraste, o sexo pornográfico é egoísta, degradante e mecânico.


Extraído do blog de Júlio Severo. 

3 comentários:

Anônimo disse...

OI boa noite, tenho 20 anos estou casada a uma semana eu e meu esposo somos evangelicos e caimos na esteira de assitir um filme pornografico, acertamos que so assistiriamos se fossemos juntos porém, ele est assistindo só, hj fui durmi e ele n me deu se quer um beijo de boa noite e ficou na net qdo fui abrir as paginas que ele visitou tinha diversas pag porno e eu fiquei mto triste em saber que ele trocou a min por esses filmes, vc pode me ajudar me dando textos biblicos que eu possa falar pra ele que esta errado e que isso n é certo!

Anônimo disse...

Bom eu eu sou viciado em pornografia,mas eu tenho lutado muito para me livrar de uma vez por todas desse vício.

Anônimo disse...

Eu luto muito contra isso também, pois não consigo passar 2 semanas sem ver, preciso de sua ajuda. Quero me libertar desse mal.Como faço ?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...