SEGUIDORES

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Divórcio ou Reconciliação - Pastora Tânia Tereza





Texto da Coluna da Esquerda
Texto da Coluna da Direita
Abraços, Pr Ismael e Pra,Cleire. "Fiquem com Deus, fique em família" Palestrante para casais e famílias.

Entregando os Filhos ao Senhor - Pastora Tânia Tereza





Texto da Coluna da Esquerda
Texto da Coluna da Direita
Abraços, Pr Ismael e Pra,Cleire. "Fiquem com Deus, fique em família" Palestrante para casais e famílias.

Pastor Cláudio Duarte - Congresso de Mulheres- Ester uma Mulher Sábia





Pastor Cláudio Duarte Vencendo as Diferenças no Casamento' Completo





Texto da Coluna da Esquerda
Texto da Coluna da Direita
Abraços, Pr Ismael e Pra,Cleire. "Fiquem com Deus, fique em família" Palestrante para casais e famílias.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Saudades.



Adicionar legenda

Princípios para ser feliz

Não adianta negar: todos vivem em busca de algo, que aparentemente é muito difícil de conseguir:
A FELICIDADE.
Tentamos encontrar várias maneiras de alcançar a felicidade. Muitos pensam que para ser feliz basta
buscar satisfazer todos os seus prazeres, quaisquer que sejam. Assim, corremos atrás de dinheiro,
de encontrar a “pessoa certa”, um sentimento contínuo e perene. 
Quantas vezes  escuto  casais querendo se separar porque “ela (ele) não me faz feliz”.
A felicidade não depende do Outro, embora às vezes ele ou ela pode realmente infernizar sua vida.
E pode até ser impossível mesmo ter pelo menos momentos de alívio e de felicidade com essa pessoa.
Porém, desiluda-se: ninguém faz ninguém feliz.
A felicidade é um sentimento íntimo que lhe dá a sensação de bem-estar, satisfação, contentamento.
Contudo, ela não pode ser algo contínuo porque vem justamente do oposto da carência.
André-Comte – Sponville nos fala que há alguns prazeres que são incompatíveis com a felicidade.
Para ele, existem nossos desejos naturais e necessários que nos ajudam a assegurar a vida, tais como:
comer e beber para o bem estar físico; vestir e um teto para morar, para bem – estar do corpo;
amigos para o bem-estar da alma, e eu acrescentaria Deus, para o bem- estar espiritual.
Quanto aos desejos estéticos e gastronômicos, não necessariamente precisamos deles para ser felizes.
Comer bem e sair com mulheres ou homens belos não necessariamente se constituiriam um problema,
se isso não for um imperativo para você ser feliz.
No século XVIII Friedrich Maximilian Klinger escreveu um livro: A vida de Fausto (1791)
e colocou na boca de um dos seus personagens Satã algumas profecias que vemos acontecer ‘
em pleno século XXI:
EM BREVE, O PERIGOSO VENENO DA SABEDORIA E DA CIÊNCIA CONTAMINARÁ A TODOS!
SUA FANTASIA INFLAMAR-SE-Á PARA CRIAR MILHARES DE NOVAS NECESSIDADES. 
LOUCURA, DÚVIDA E INTRANQUILIDADE E NOVAS NECESSIDADES SE ALASTRARÃO,
E EU DUVIDO QUE MEU TERRÍVEL REINO POSSA ACOLHER A TODOS QUE SERÃO
CONTAMINADOS POR ESSE VENENO SEDUTOR.
Sempre aparecerão mulheres e homens mais belos do que o que você se relaciona. Pessoas mais ricas,
comidas mais exóticas e saborosas. A corrida pela riqueza, poder e glória não lhe trarão felicidade.
O livro da Sabedoria traz um verso muito importante de observarmos:
“O ganancioso destrói a comunidade com sua cobiça, mas quem se recusa a
tirar proveito da situação vive feliz “. Pv. 17:27
Aprender a contentar-se com os desejos necessários e úteis e descartar a futilidade,
a ganância pela glória e o poder. Eis o segredo da verdadeira felicidade.
O SENSATO ANDA DE MÃOS DADAS COM A SABEDORIA,
MAS O INSENSATO ESTÁ SEMPRE VAGANDO COM OLHAR PERDIDO. Pv. 17:24

Silvia Geruza F. Rodrigues

O último pesar de um homem bom


Ricardo Gondim
As tragédias bíblicas fascinam. Sedução, vingança, amizade, heroísmo e traição permeiam as narrativas da Bíblia hebraica. Entre algumas, a história do soldado Urias, marido da famosa Betseba. Infelizmente, na maioria dos relatos, Urias não passa de coadjuvante na trama em que o personagem principal é o rei Davi. Urias –  o ofendido – fica, na maioria das vezes, com o papel secundário. A história tende a focar no mais forte. Quase nada é dito sobre o mero soldado.
Urias perdeu a vida estupidamente. Embora trivial no mundo antigo, o assassinato de um anônimo para livrar o rei contém desdobramentos complexos. A urdidura do homicídio merece ser destacada também a partir da perspectiva da vítima. A crueldade premeditada – uma das mais sórdidas da literatura universal – não pode se concentrar no sujeito que a praticou, mas na pessoa que a sofreu.
Aconteceu assim:
Em uma tarde qualquer, o rei passeava pela murada do palácio. Os olhos indolentes de Davi pousaram numa belíssima mulher. Seu nome era Betseba. Ela tomava banho. A pele morena, os cabelos negros, os seios bem delineados, somaram-se ao lusco-fusco e a situação ficou avassaladora, absolutamente sedutora. Davi não resistiu – ou não quis resistir.
Ordenou que o ajudante de ordens lhe trouxesse a mulher. Em uma sociedade patriarcal, que malbarata a mulher, Betseba seria mais uma a ser usada. A noite prometia delícias. Certamente, alguém com um mínimo de bom senso deve ter alertado o rei: Esta, não! Ela tem marido; e ele te reverencia, Majestade. Urias era soldado da tropa de elite. Alistado, encontrava-se em plena batalha. A guerra acontecia distante. Depois de usar Betseba, o rei omitiria a noite prazerosa. Não haveria grandes problemas. Urias nunca suspeitaria do rei. Assim, Davi se deixou levar pela sedução.
Com os riscos minimizados, a aventura se consumou. Abismo, entretanto, chama abismo. O pior aconteceu. Betseba engravidou. Davi precisou, urgentemente, gerir danos. Um escândalo se avizinhava. Virou prioridade real encobrir o malfeito. Davi planejou galardoar Urias com um improvável descanso. Supôs que o soldado recém chegado da batalha, com a libido à flor da pele, ficaria eternamente grato por gesto tão magnânimo.
A gravidez, ainda precoce, se dissolveria. O amor de uma lua de mel encobriria a gravidez. O rei imaginou que Urias perderia até a conta do número de relações sexuais naquela primeira noite. Certamente, os meses da gestação nem seriam contados. Além do mais, crianças também nascem prematuras.
Para o constrangimento de todos, o soldado recusou a oferta. Cara a cara com o próprio rei, afirmou: Eu jamais aceitaria férias e prazer enquanto meus amigos estiverem em perigoA Arca do Concerto, Majestade, representa tanto a presença de Javé como a honra de Israel. Não posso admitir que continuem sequestrados. A tua dignidade, Senhor, se encontra em mãos inimigas.
O rei orquestrou um segundo plano. O projeto continha requintes nefastos – mentes encurraladas conseguem se esmerar em torpeza. Davi tramou devolver Urias às trincheiras, mas antes ordenou que o marechal de guerra lembrasse de recuar no ardor da batalha. O soldado devia ser abandonado. Em posição vulnerável, certamente morreria. Na mente cruel do rei, quanto mais indefeso, melhor.
As tropas recuaram. Urias não teve como se esconder. Numa pontaria certeira, a lança inimiga o abateu. Um soldado, leal, digno, morreu. O rei sentiu alívio. Sua alegria foi do tamanho do império que desejava construir. Eu não matei ninguémAgora posso me casar com Betseba. Assumo o filho. Com tudo legalizado, continuo a tocar os negócios do reinoNinguém vai me incriminar. Posso voltar às demandas mais importantes da minha vocação imperial que, afinal de contas, veio de Deus. Vou expressar gratidão construindo um templo pra ele.
Qual o preço de tal bonança? O desespero de Urias! Quanto custou a paz de Davi? A desgraça de um comandante, que deu ordem para as tropas retrocederem! Ele deve ter voltado para casa se sentido um lixo. Para defender o cargo e não quebrar a hierarquia, sacrificou o amigo da tropa – vileza inominável para um militar. O mal, projetado como defesa, tende a ser atroz. O mal, perpretado por quem detém o poder, tem força letal. Um tirano, antes de matar, cria solidão.
Muitas vezes imaginei a dor de Urias. Seu desespero é comum. Em seu último suspiro, o que o soldado pensou? Como alguém se sente quando morre abandonado? Será que ele se deu conta de que poderosos se valem do idealismo como forma de induzir pessoas a se sacrificarem? Acreditando que defendem causas, muitos tombam desnecessariamente.
Quantos, iludidos, seguem para um matadouro semelhante ao do soldado bíblico! Quantos, abatidos, atinam? Eu não passo de peão no xadrez dos poderosos! Incentivados ao engajamento, movidos por ideiais, seguem para uma morte inútil. Marcham, imaginando defender uma bandeira, mas só cumprem caprichos. De repente caem sem amigos. Quando falta chão, acordam: Tudo não passou de um jogo de interesse. Deve ser horroroso perguntar no último fôlego: Por que vocês se comportam assim? Urias, certamente, não teve tempo sequer para entender que outros interesses motivavam o seu assassinato. Sua vida era gasta em vão. Ele só serviu para livrar um rei amedrontado – e bárbaro – da sua sujeira. A morte trágica de Urias expôs a bestialidade do rei e o servilismo da tropa. Mostrou também que a vida pode ser banal.
Alguns despertam tarde demais. Triste, dar-se conta da manipulação dos poderosos – e na derradeira visão ter os amigos de costas. Urias recebeu o baque. Agonizou sem entender o porquê de tamanho abandono. Sua morte, entretanto, ensina: maior dor não é ser morto por arma inimiga, mas expirar com o desdém dos companheiros. Mesmo que lhe contassem sobre a armadilha dos bastidores do palácio, o seu sofrimento não diminuiria. Nunca é fácil admitir que projetos institucionais sacrificam lealdades.
Não era para ser assim…
Mais tarde, Deus confrontou Davi. Mas isso é outra história.
Soli Deo Gloria

Parasitas no relacionamento.

Parasitas também enfeitam…esse é o problema
Não sei se você já observou nas ruas de São Paulo árvores enormes com seus galhos enfeitados de plantas parasitas enroscadas em seus galhos enfeitando-a. Esta manhã notei várias dessas. O verde das parasitas penduradas chamavam a atenção. Aos olhos de quem passa, essas plantas são bem-vindas. Contudo, alguém me lembrou: Parasitas enfeitam, mas também apodrecem os galhos.
Assim também acontece na nossa vida. Os parasitas que nos rodeiam nos enganam, pensamos que nos enfeitam, que trazem benefícios, porém grudam em nós, muitas vezes, para se nutrirem das nossas forças. Muitas pessoas até rastejam por um(a) parceiro(a) que nada tem a lhes oferecer, são pessoas que aparentemente prometem felicidade, segurança, alegria, conforto, mas que degeneram a sua alma, sua vida, aos poucos, sem que você se dê conta.
Parasitas são aqueles (as) que dependem de você para subir na vida, mas quando acham que se encontram no topo, pisam você sem piedade.
Parasitas são aqueles (as) que lhe prometem fidelidade, que lhe rodeiam e lhe mimam, mas quando encontram outro galho para sugar, lhe abandonam sem piedade e sem dizer adeus.
Parasitas são aqueles (as) que sugam todas as suas forças, exigindo que você faça tudo por eles, e descansam na sua vitalidade, sua energia, sua pró-atividade, mas na hora de lhe reconhecer, derrubam-lhe deixando-lhe exaurido (a), jogado (a) na estrada, ou à beira de uma rua qualquer.
Parasitas são aqueles(as) que lhe enganam com a falsa ideia de que sua companhia lhe fará bem, mas que intimamente já sabe que será algo transitório, para passar um inverno, ou uma primavera, enquanto usufrui de seu vigor, abandonando-lhe quando não consegue subtrair mais nada de você.
É o homem que casa com uma moça virgem, nova, viçosa, para lhe dizer na sua meia ou terceira idade que necessita de alguém bem mais novo para lhe revitalizar.
É a mulher que casou por conveniência, pelo conforto, pelo suporte financeiro, e quando se encontra profissionalmente realizada, deserta-o inclementemente.
Parasitas existem por todo lado. Aparentemente são seus amigos.
Aparentemente lhe dão forças. Aparentemente ajudam no seu sucesso. Aparentemente lhe apoiam. Aparentemente querem lhe ver feliz. Porém, com o passar do tempo começam a pesar, nutrindo-se de todo seu suporte e tudo que você lhes proveu, desprezam e lhe derrubam, deixando-o completamente sem forças, exaurido à beira do caminho.
Para que você não se engane com a beleza do parasita, nem a falsa promessa de que se encontra ao seu lado por amor, aprenda a reconhecer os que lhe rodeiam:
Eles só chegam perto de você para pedir algo?
Eles só lhe ligam para pedir dinheiro emprestado? Ou para saber como você está?
Eles somente têm elogios para você? ( Será possível mesmo que você não tem nenhum defeito?).
Eles somem quando você mais necessita deles? Sempre ocupados demais para lhe ajudar em alguma coisa?
Aprenda a reconhecer os verdadeiros enfeites da sua vida, para que um dia você não se encontre abatido, sem forças, caído (a) no meio da estrada da sua vida.
Silvia Geruza F. Rodrigues

quarta-feira, 8 de março de 2017

Homenagem Dia das Mulheres - Pastor Ismael R Carvalho

Mulheres,

Pouco lembradas, solitárias, mulheres comuns e fragilizadas.Mulheres anônimas, invisíveis talvez, senhoras de sua história com ajuda do Pai.  Mulheres lindas no cuidado com seu homem, no trato para com todos e no amor para com Deus. Mulheres que da fraqueza tiram forças e vão vencendo, superando-se a si mesmas e também as circunstâncias. Mulheres heroínas em seu reinado doméstico, rainhas e princesas, importantes pra sua gente. Mulheres que ainda que chorem não se dobram e nem recuam, mas prosseguem enxugando lágrimas e retocando maquiagem, a vocês toda admiração e respeito, e minha oração. Que o Eterno as façam triunfar. Que sejam muito amadas, Que o seu lar seja um lugar bom de se estar, lugar de encontros e reencontros, lugar de delícias e ternura. Que nunca lhes falte motivação para a vida e proteção em suas fragilidades. Parabéns neste seu dia, com força, toque a vida em frente, até a vinda Dele. 

Pr Ismael R Carvalho

terça-feira, 7 de março de 2017

Crenças Limitantes, o que são? Dra Sueli Reis Cezar

O que são crenças limitantes?

Dra. Sueli Reis Cezar
Coach Cristã de Relacionamento
Pessoal, Conjugal e Familiar.
Segundo explica a Dr. Sueli Reis Cezar, crenças limitantes são pensamentos que você tem numa conversa com você mesmo,  que impedem de agir e obter um resultado positivo. A maioria das vezes a crença limitante está relacionada a algo que ocorreu no seu passado, palavras, percepções, ações e sentimentos que foram "implantados"  na sua mente.

Dentro do que diz a Coach Dra Sueli, as crenças limitantes paralisam a pessoa impedindo de realizar coisas, tornando as  prisioneiras desses pensamentos. Conta a história da mulher que uma vez bateu com a lateral do carro do marido no portão de casa e como ele ficou muito bravo, falou que não sabia dirigir, ela nunca mais ousou fazê-lo e assumiu para si aquilo como se fosse uma verdade, achando, agora, que vai bater o carro assim que tentar de novo. É preciso tomar uma atitude libertadora através da mudança de pensamento, abandonando assim  pensamentos limitantes e irracionais. Esse é um pequeno exemplo, mas a situação se agrava de caso a caso, pessoas deixam de assumir responsabilidades, de serem promovidas, não aceitam desafios, se sentem incompetentes, têm dificuldades nos relacionamentos e outras situações.
O processo de coaching, que nada mais é do que um método, uma ferramenta a ser utilizada para levar o indivíduo a  vencer as dificuldades dessa ordem e de outras que por ventura tenha, preparando-a para o  desenvolvimento pessoal, profissional, e relacional.
Afirma ela que "“Quando mudar positivamente suas palavras, seus pensamentos mudarão junto, e quando mudar seus pensamentos, suas atitudes serão outras, e o resultado será melhor.” E mais, " Você é a única responsável por estar onde está, do mesmo modo que também é a única que pode te tirar daí caso esteja desconfortável com tal posição. Não terceirize , não encontre culpados , pois eles não existem. As pessoas só fazem a nós aquilo que permitimos ou toleramos."  




segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

O amor faz mais.

O AMOR VAI ALÉM.
Fico imaginando as coisas que o amor de Deus faz, olho para as atitudes de uma mãe, ou de alguém que está vivendo um grande amor, e percebo que o amor vai além daquilo que seria o razoável esperar dele, o amor excede, o amor faz mais, se preocupa e se importa. Isso é o amor, o resto é negligência.

Acesse também: https://www.facebook.com/PastorIsmaelroselei


A Palavra traz cura e livra da destruição.

Quando passava por momentos tenebrosos de saúde, busquei encontrar algo que falasse comigo, desejava a visita de um profeta, uma palavra através do pregador da TV, enfim, precisava ouvir algo a meu respeito. Como isso não aconteceu, fui ler a Bíblia e ali encontrei este texto:
Salmo 107.20 - E enviou a sua Palavra e sarou a sua gente, livrando-os da destruição.
Nunca mais deixei de encontrar minhas resposta nela. A Palavra cura as pessoas, livra-as da destruição anunciada, aponta caminhos, chama para o conserto, ensina verdades, trata as emoções, renova e encoraja, alimenta a alma, então, como posso deixá-la num canto qualquer.
Pr Ismael R.Carvalho


Acesse também: https://www.facebook.com/PastorIsmaelroselei

Uma cruz, uma razão para nela permanecer.

Mt 27.42 -Salvou os outros, e a si mesmo não pode salvar-se. Se é o Rei de Israel, desça agora da cruz, e crê-lo-emos..
Cristo foi desafiado a descer da cruz e salvar-se a si mesmo. Ele poderia te-lo feito, mas ele não pensou em sua dor, vergonha, ou sua reputação. Sabia Ele que aquela cruz era necessária para salvar a muitos, por isso suportou a afronta. A Bíblia diz que quem quiser seguir Jesus deve tomar sua cruz, ou seja, não buscar mais a vontade própria, mas a vontade Dele e assim levar muitos a salvação.Porém, alguns estão descendo da cruz, não suportam a dor que a cruz traz, e com isso vivem sem renuncias. Vejo pais descendo da cruz, maridos e esposas ao mesmo tempo que a perdição tem entrado em suas casas. Filhos vão para as drogas, casais vão para o adultério, vidas dissolutas. E o inferno sorri e celebra: ... ele desceu da cruz. Você está crucificado com Cristo? Então, fique na cruz, pois redundará em salvação.  Pr Ismael R.Carvalho

Ele anda no meio de nós.



E andarei no meio de vós, e eu vos serei por Deus, e vós me sereis por povo. Levítico 26:12.
Foi o Senhor quem disse isso? Foi sim. Então eu creio.
Creio que Ele está conosco e podemos vê-lo nos mais simples, no doente, entre os necessitados, no meio das crianças, entre os velhos do lugar.
Creio em tudo o que a Biblia diz, por isso quando falo numa reunião que Cristo está presente, sinto um temor em minha alma, por que creio piamente nisso.
Por vezes, o céu nos visita através de anjos. Certa feita, estávamos, eu e meu parceiro PC, em nossa ronda policial e havíamos combinado que aquela noite seriamos diferentes, faríamos diferentes, não haveria truculência, nem voz alta, nem agressividade em nossos gestos, iriamos exercer a tolerância, a paciência e o amor. Saímos a procura de pessoas que estivessem precisando de ajuda, fomos na porta do hospital onde encontramos um rapaz com a perna engessada e não tinha como ir pra casa, e nós o levamos. Depois , lá pelas tantas daquela madrugada fria, uma mãe com um bebê febril envolto em panos, e nós a levamos para o hospital, e assim situações foram aparecendo e fomos atendendo com amor. Por volta das 02 horas da manhã, nós dois , ao mesmo tempo, vimos uma criança na calçada, toda de branco, como se fosse uma roupa de dormir, menino lindo, 03 anos mais ou menos, aceleramos a viatura, era questão de 08 metros de distancia, mas ele desapareceu diante de nossos olhos. Estávamos arrepiados e havia temor em nós. Então o PC perguntou: "Tenente, o que o senhor viu?" E eu respondi: "Eu sou o tenente, eu pergunto, o que você viu?".( rsrs) Nós tínhamos visto a mesma coisa, um anjo em forma de menino. Vi aquilo que como uma manifestação de Deus na vida de dois patrulheiros que resolveram fazer diferente..

Viva com Entusiasmo


Percebo  o esforço de Deus para manter o seu povo encorajado  e isso tem uma razão de ser, pois uma pessoa  desmotivada se torna escrava de seus temores e não realiza aquilo para o qual foi chamada, torna-se um vencido antes mesmo de lutar. Expressões como  “Não temas”,  “Se forte”, “Levanta-te”, “Eu te ajudo”, “Estarei contigo” são encontradas por toda a Bíblia.  Paulo, um dos homens mais santos que já pisou a terra em vários momentos confessa seus medos, dizia ele “temores por dentro e tremores por fora”, ou “Chegamos a desesperar da vida” , contudo, não se entregava aos seus sentimentos, não aceitava viver uma vida pequena e infrutífera, antes, cumprir sua missão e por isso combatia valentemente. Ele não se amoldava  à situação adversa, convivendo com a coisa ruim ou adaptando-se a ela, jamais. Falava da importância de se manter a fé, a esperança e o amor,  e ainda, lutar como um fraco que se faz forte.  A fé pode trazer as respostas necessárias, a esperança mantem nossos olhos nos  dias de triunfo ainda  distantes , mas que certamente acontecerão, e o amor como uma marca, um estilo de vida.
Então hoje, digo a você, não se entregue companheiro, levante a cabeça, escolha viver com dignidade de um guerreiro, deixe as  lamúrias, a covardia, levante-se como um gigante, aparte de ti a inércia e esse monte de impossibilidades,   pois essas coisas  negam a fé e te distanciam do alvo, encha-se de entusiasmo ( significado: “Deus em mim”) e parta para a luta com força e fé, você vai vencer  e logo terá de volta o brilho no olhar e um sorriso no rosto, é a vida de Deus em ti.
Bom dia....e que ao final dele, possa dizer combati o bom combate.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Meu marido mudou sexualmente depois que o traí com meu ex

Pastor, paz. Eu traí meu marido com meu ex namorado dos tempos de adolescente. Tinhamos uma vida sexual normal, bom sexo, e tal. Meu marido dividiu comigo a culpa pelo ocorrido, sente-se culpado, embora eu pessoalmente acho que não teve culpa alguma, era um desejo reprimido e quando pintou a oportunidade, aconteceu. Me arrependi, não foi legal isso, pedi perdão a ele e a Deus. Porém, a questão é a seguinte: Meu marido agora quer transar todos os dias, fica grudado em mim, e se eu não faço amor com ele, fica chateado e desconfiado. Isso está passando dos limites, e me preocupa.

Irmã, paz. Que bom que ele te perdoou e assim o casamento pode continuar, nem sempre acaba bem.
Esta semana atendi um caso onde o amante era um advogado, inteligente, e o marido um técnico de nível médio de uma empresa. Depois de saber da traição, perdoar a esposa, entrou para a faculdade de direito, comprou vários ternos, e está lendo muito para melhorar o conhecimento. Bom, isso parece algo positivo, se não fosse a motivação neurótica. É como se ele estivesse competindo com o amante, e julgando ser o outro mais inteligente, mais bem formado, então , desesperadamente estuda direito. É um momento de insegurança, tende a se acomodar com o passar dos dias. Mas a esposa pode contribuir para que isso não se transforme em doença emocional. Penso que deve conversar com ele sobre sua imaturidade e insegurança, e fazer o possível para passar a ele segurança que precisa, demonstrando amor, prestando contas voluntariamente. Viva de modo a não dar motivos para a desconfiança dele, porém, quanto ao sexo, não deve se transformar em escrava sexual, isso não ajudaria por muito tempo. Fale disso também, o sexo é bom quando é bom para os dois, quando é exagerado prejudica a relação. 

Materiais Casados em Cristo gratis

Olá irmãos em Cristo, nós enviamos material Casados em Cristo para você ministrar em reuniões ou curso para casais em sua igreja, mas o pedido deve ser feito no canal certo, ou seja, pelos email:
-casadosemcristo@hotmail.com, 
-pastorismaelroselei@gmail.com, 
ou pelo formulário do blog. 

Pedidos feitos em comentários do blog e via watsapp dificultam o atendimento e não serão enviados.

Relação de Material que enviamos:

Curso para Casais Casados em Cristo

Livros de apoio: 

-O sexo nosso de cada dia.
-Filhos para Deus e não para a calamidade.
-Coletãnea de Dinâmicas.
-Conflitos conjugais - aconselhamentos.
-Amor abundante, alegria na cama.


Esse material é de autoria do Pastor Ismael Roselei de Carvalho e está autorizado desde já o seu uso e reprodução, estando proibido sua reprodução para comercialização. 


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Frases e pensamentos Pastor Ismael Roselei de Carvalho


"Seria bom que o marido perguntasse e a esposa respondesse com sinceridade, se o
amor que está vivendo é o amor que um dia sonhou. Se tiver coragem, marido,
faça isso, e descubra que mudanças precisam acontecer." 

Esposa Surda humor que ensina

ESPOSA SURDA👂
👱– Qual o problema de sua esposa ? Disse o médico.
👨– Surdez. Não ouve quase nada.
👱– Então o senhor vai fazer o seguinte: antes de trazê-la, faça um teste para facilitar o diagnóstico. Sem ela olhar, o senhor, a certa distância fala em tom normal, até que perceba a que distância ela consegue ouvi-lo.
E quando vier – diz o médico – dirá a que distância o senhor estava quando ela o ouviu. Está certo ?
👨– Certo, combinado então.
À noite, quando a mulher preparava o jantar, o marido decidiu fazer o teste.
Mediu a distância que estava em relação à mulher. E pensou: “Estou a 15 metros de distância. Vai ser agora”.
👨– Maria, o que temos para jantar ? – não ouviu nada.🗣🙎 Então aproximou-se a 10 metros.
👨– Maria, o que temos para jantar ? – nada ainda. 🗣🙎 Então, aproximou-se mais 5 metros.
👨– Maria, o que temos para jantar ? – Silêncio ainda.🙎
Por fim, encosta-se às costas da mulher e volta a perguntar:
👨– Maria! O que temos para jantar ?
💆– Frango, meu bem… É a quarta vez que te respondo!
😳🤔
Como percebem, muitas vezes achamos que o problema ocorre com os outros, quando na realidade o problema é nosso, só nosso…

O ladrão vem e mina o relacionamento.

O LADRÃO QUE MINA RELACIONAMENTOS.
"Se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa.” Mt 24.43.
A leitura que faço deste texto é mais ampla do que apenas falando do cuidado com o ladrão que entra na casa de alguém e lhe rouba os bens.
O pai de família, braço forte da casa, alicerce e coluna de um lar, aquele cujo amor deve exceder-se, ir além, mas que desavisado muitas vezes, não se poe a porta e por isso ela perece.
Mal sabe ele que diferentes ladrões podem chegam e levar embora o que tem de bom e precioso.
São muitos os nome desses ladrões: ausência, abandono, falta de companheirismo, descompromisso, e por aí vai...
Fico imaginando a esposa que gostaria que ele estivesse ao seu lado, quem sabe, mesmo sem dizer palavra alguma. Para ela bastaria seu poder de presença.
A vida nos reserva momentos diferenciados, onde estar só é terrível, pois não há conselho, respaldo, ou apoio emocional.
 Penso nas muitas mulheres que vão sozinha ao médico e quando recebem a má notícia no consultório, olham para um lado, para o outro, mas não tem ninguém para ouvi-la dizer: E agora?
Lembro daquela que teve que aprender a cuidar de si mesma, sem ter alguém para partilhar suas dúvidas e angústias,
O que pensar daquelas que veem o filho pequeno doente sofrendo e tem que decidir o caminho a percorrer.
As possibilidades são muitas, quantas coisas podem vir sobre um relacionamento e levar embora o encanto, a alegria, o prazer e assim sufocar um amor.
 Quando não se tem o marido, então, ela conta consigo mesma, é ela ou ela, mas e quando se tem um marido menino, inconsequente, irresponsável, desavisado, descompromissado?
Estou falando com os homens, quem sabe comigo mesmo, em cujas mãos está a segurança da casa e as portas do coração de sua esposa e dos demais de sua casa.
Melhor até do que saber a hora que o ladrão viria, seria fazer com que ele não venha nunca.
Ter uma esposa, um lar, uma família, é um privilégio, então cuide!!
A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up
.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Um marido encantador.


(Extraído do livro do Pastor Ismael, "Como ser uma mulher desejável e um marido encantador".)


Um marido querendo ser o grande amor de sua esposa tem que aguçar sua sensibilidade, melhorar a sua forma de tratá-la, prestando atenção quando ela fala, olhando nos seus olhos e não no jogo da TV. Deve sempre esperar que termine a sua linha de pensamento antes de interrompê-la ( geralmente eles esperam apenas 17 segundos). Valorizar e respeitar as coisas que ela goste, se importando com aquilo que ela se importa; não desmerecendo seus prazeres. E ainda,  tenha sob controle a mania de criticar e se for brincar, brinque de forma positiva, nunca corra o risco de estar diminuindo seu valor. Aprenda a elogiá-la naquilo que ela faz bem, encoraje e estimule para que cresça profissionalmente e como pessoa humana. Quando for tocar nela que seja com ternura, pois quando você lhe "passa a mão" está satisfazendo sua tara e não sendo terno. Ternura é “o poder de encantar o outro com atitudes de amor”. Atitudes que demonstrem que ela é única e que pretende manter a fidelidade a qualquer custo lhe dá segurança, e uma das coisas boas de se fazer é não facilitar  com o sexo oposto, não sendo paquerador, galanteador. Aproveito para lembrar que  uma mulher sente o cheiro de coisa errada mesmo de longe, e saberá se estiver mentindo. Não paquere suas amigas, ou melhor, mulher alguma, não brinque com fogo, nem jogue brasas acessas dentro de sua roupa, pois pode se queimar. Passe a ela confiança, de maneira que sinta que possa se entregar de corpo e alma na relação. Além dessas coisinhas emocionais, deve se preocupar com a segurança da família, especialmente tendo sob controle a vida financeira, não deixe que as contas se desequilibrem, pois isso gera um stress destruidor da alegria conjugal e sexual. Um homem preocupado com as contas não tem tempo emocional para a esposa, e ela pode se ressentir e achar que não está mais interessado na relação, que não é amada ou coisa assim. Sexualmente, seja seu amante e não apenas o marido, empenhe-se em levá-la ao orgasmo, e saiba que ela vai precisar de mais tempo para chegar lá, por isso não se apresse. O sexo bom para ela tem o seu antes, o durante e o depois, ah! e não vire as costas e durma depois do seu prazer, pelo contrário, traga-a para perto do seu peito e deixa que ela adormeça antes de você. Cumpra o papel de homem, provedor e protetor da família, herói dos seus filhos, um homem do bem, da verdade, motivo de orgulho dela e das crianças. Conduza sua vida de maneira  o herói que viam em você viva para sempre como herói. Em tempo de paz, seja como um gatinho, manso, quieto, sereno, mas se a coisa entornar , se estourar a  guerra , levante-se como um leão e mostre que o território tem um macho protetor de sua prole. Aprenda a amá-la do jeito dela. Não se esqueça, tem  que prestar contas de vez em quando, e mais,   ela tem a mente investigativa ( desconfiada talvez ficasse melhor aqui), é um ser emotivo, de vez em quando vai chorar, mas que vale a pena vê-la sorrir. Ela não é filha de chocadeira e precisa visitar pai, mãe, irmãos, amigas de infância, e ninguém poderia suprir sozinho e completamente todas suas necessidades de relacionamento, por isso não a aprisione em casa, ela precisa ver gente, ouvir e ser ouvida. Voltem a sorrir juntos, celebre a vida com pequenas coisas, abrace mais, seja mais gentil e delicado, isso não irá desvalorizar sua condição de macho, pelo contrário, pode fazer de você o homem da vida dela.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Sete princípios para o casamento dar certo - Livro de John Gottman

Quais os segredos para desfrutar de um casamento aproveitando ao máximo suas potencialidades? É possível restaurar relacionamentos desgastados pela falta de conexão emocional entre os cônjuges? Essas e outras perguntas são respondidas por esse livro, que nós temos a satisfação de resenhar. Um casamento que dá certo é um dos valores reais mais desejados de 10 em cada 10 casais. Um casamento que dá certo repercute positivamente em todas as demais áreas da vida, seja essas situadas em questões sentimentais, como o relacionamento com filhos, parentes etc., sejam essas situadas nos demais segmentos da vida, como a financeira, psicológica, de saúde etc.
O que diferencia esse livro de outros manuais de terapia conjugal é que ele foi baseado em sólidas evidências científicas. Os sete princípios foram fruto de uma extensa pesquisa acadêmica realizada pelos autores, com centenas de casais que aceitaram ser acompanhados e monitorados ao longo de vários anos, inclusive dentro de um laboratório que simulava o ambiente de um apartamento. Quer saber o que faz um casamento dar certo? Então nos acompanhe num mergulho à obra de John Gottman e Nan Silver! 😀
Informações técnicas
Título: Sete princípios para o casamento dar certo
Autores: John Gottman e Nan Silver
1 | A verdade sobre os casamentos felizes: pesquisa de laboratório em Seattle
Apesar dos inúmeros benefícios do casamento para os cônjuges, em termos emocionais, de saúde e até financeiros, os autores constataram que é absurdamente pequena a quantidade de pesquisas embasadas em sólidas evidências científicas voltadas para a forma de manter um casamento estável e feliz, daí a importância da pesquisa que resultou na descoberta desses sete princípios.
De início, um mito é derrubado: o de que um casamento dá certo quando os conflitos são bem resolvidos. Outros mitos são também derrubados: o de que neuroses podem destruir um casamento, o de que casos extraconjugais são a primeira causa de divórcio etc.
O que faz, então, um casamento funcionar? É a profunda amizade existente entre os cônjuges, o que se traduz em respeito mútuo e prazer na companhia um do outro. E a arma secreta que mantém um casal feliz é a tentativa de reparação, isto é, qualquer afirmação ou ato que impede que a negatividade fique fora de controle.
2 | Como fazer um prognóstico de divórcio
São seis os sinais que evidenciam um divórcio à vista. O primeiro sinal é a abordagem ríspida, que é o pior modo de iniciar uma discussão. O segundo sinal é representado por aquilo que os autores denominam de “os quatro cavaleiros do Apocalipse”, que são, na ordem: crítica, desprezo, defensividade e incomunicabilidade. O terceiro sinal é a saturação, ou seja, um cônjuge saturado foi atingido pela negatividade de outro de forma tão opressiva que o deixou traumatizado. O quarto sinal é a linguagem corporal, e o quinto, as tentativas de reparação sem sucesso. O sexto sinal são as recordações desagradáveis sobre aspectos do passado.
3 | Princípio 1: Aprofundar o conhecimento mútuo
O primeiro princípio para um casamento dar certo é construir um mapa afetivo do parceiro, isto é, estar bem familiarizado com o universo do outro cônjuge. Casais que têm mapas afetivos detalhados estão mais bem preparados para lidar com situações estressantes e geradoras de conflito.
4 | Princípio 2: Cultivar a afeição e a admiração
A essência de qualquer casamento saudável é a amizade, e uma forma de fortalecê-la passa pelo cultivo dos aspectos positivos do outro cônjuge. Isso também diminui a probabilidade de faltarem com o respeito um ao outro quando tiverem opiniões diferentes. 
5 | Princípio 3: Estar voltado um para o outro
O hábito faz o casamento, e são os pequenos detalhes do dia-a-dia que fazem a diferença na consolidação de casamentos duradouros. Achei particularmente reveladora essa passagem do texto (p. 89):
“Muitas pessoas pensam que o segredo para manter um parceiro ao seu lado é um jantar à luz de velas ou umas férias à beira-mar. Mas o verdadeiro segredo é estarem voltados um para o outro nas pequenas situações da vida diária. Um programa romântico à noite só intensifica realmente o ardor quando o casal manteve a chama acesa tendo contato nas pequeninas coisas da rotina diária.”
A forma mais eficaz para ativar esse princípio, nos testes de laboratório realizados pelos autores, consiste nas famosas reuniões de final de dia para conversar sobre como o dia transcorreu com o cônjuge. E a regra principal aqui é falar sobre qualquer assunto, desde que tenha ocorrido fora do casamento. Esse não é o momento para discutir eventuais conflitos do casal, mas sim uma oportunidade para dar apoio emocional um ao outro a respeito de outras áreas de suas vidas.
Ao final desse capítulo, assim como em todos os outros, são propostos exercícios para fazer o princípio em foco ser ativado na vida do casal.
6 | Princípio 4: Aceitar as opiniões do parceiro
Está comprovado cientificamente: os melhores casamentos são aqueles em que o marido trata a mulher com respeito e não se opõe em dividir autoridade e tomar decisões com ela. Parece que esse capítulo foi dirigido aos homens….rsrs…. pois são eles, de acordo com os autores, os mais resistentes a compartilhar a tomada de decisões do casal. Eis outro dado revelador (p. 115):
“O marido que aceita as opiniões de sua esposa também tende a ser um pai excepcional. Ele se familiariza com o mundo dos filhos e tudo sabe sobre seus amigos e seus receios. Como não tem medo de emoções, ele ensina os filhos a respeitarem seus próprios sentimentos – e a si próprio. Ele também deixa de ver o jogo de futebol a que está assistindo na televisão, se for necessário, porque deseja ser lembrado como um pai que tinha tempo para os filhos”.

A dependência emocional no casamento

http://www.semprefamilia.com.br/dependencia-emocional-por-que-acontece-e-quais-os-perigos/

O que acontece quando o afeto vivido entre o casal, a relação que começa amorosamente, se transforma em uma dependência afetiva, uma necessidade de estar com o outro para não nos sentirmos sozinhos ou fracassados em nossa vida social?
A dependência emocional é um tipo de apego excessivo a outra pessoa. Pode-se dar em qualquer relação humana, inclusive entre um casal. De fato, é aí que mais frequentemente acontece esse padrão de dependência.
As causas
  1. A dependência surge da necessidade de ser amado. Mas se buscamos o que há por trás dessa necessidade, encontraremos uma baixa autoestima. Aquele que ama pouco a si mesmo necessita que os outros o amem para sentir-se digno de amor. Ter um parceiro é a maior prova, para si mesmo, de que se é digno de amor. O parceiro é alguém que não é da família de origem, que não teria motivo para me amar, mas que me ama porque escolheu isso. Não há nada de errado aí, exceto quando a própria aceitação de si mesmo se baseia nisso – é quando se verifica o problema.
  2. A dependência emocional se torna um labirinto, uma prisão da qual é difícil sair porque frequentemente é confundida com o amor verdadeiro que possamos ter pela outra pessoa. O amor deve se basear em uma escolha livre e não em uma necessidade de estima. Quando aparece a dependência emocional, em muitos casos o amor se destrói e as consequências são negativas para os dois.
  3. A dependência emocional se alimenta de convencionalismos sociais e culturais. Vivemos em uma sociedade que nos bombardeia com a ideia de que ter um parceiro é necessário para ser feliz. Quando se chega a certa idade, estar solteiro não é bem visto socialmente: ser um solteirão ou uma solteirona é sinônimo de fracasso. Socialmente insistem que ter um par é sinônimo de êxito e felicidade.
Assim, a dependência emocional nos mantém em relações que não funcionam. Ela faz com que muitos permaneçam em relacionamentos que não lhes fazem felizes, o que gera um mal-estar emocional significativo. Além disso, contribui para a inércia diante de problemas como a violência física ou psicológica.


Como agir
  1. É muito importante mudar a nossa mentalidade e deixar de insistir com amigos ou parentes solteiros para que encontrem um parceiro.
  2. Os meios de comunicação têm um papel muito importante, transmitindo valores culturais e histórias de amor que não se baseiem na dependência.
  3. Cada um deve analisar os seus valores e princípios, aquelas crenças tão fortemente arraigadas a respeito dos relacionamentos. Se for o seu caso, reflita: por que você não consegue se aceitar sem ter um parceiro?
  4. Não se trata de nos separarmos do parceiro na primeira complicação, mas sim de aprender a reconhecer a dependência emocional e passar a amar sem depender.
  5. Porém, se reconhecemos que a relação em que estamos não nos faz bem, existindo alguma modalidade de violência psicológica ou física, é preciso reunir forças para dar um fim ao relacionamento.
Com informações de Hacer Familia.

A bondade é uma virtude que se aprende e tem efeitos positivos no casamento.

Publicado no site: http://www.semprefamilia.com.br/estudo-psicologico-identifica-o-que-faz-um-casamento-durar/

Qual a diferença entre os casamentos duradouros, com casais há décadas vivendo felizes, e aqueles que entram em crise mal aparecem as primeiras dificuldades? Essa pergunta tem motivado inúmeros pesquisadores e embora seja difícil determinar com exatidão quais são os fatores que determinam um casamento feliz, já é possível apontar algumas respostas.
Depois de quase três décadas de pesquisas, o psicólogo norte-americano John Gottman acredita ter chegado ao ponto chave que diferencia os casamentos felizes dos que fracassam. Para chegar ao resultado, Gottman e outros pesquisadores começaram a investigar o comportamento de casais avaliando como eles respondiam a questões relacionadas à forma como haviam se conhecido, memórias positivas e conflitos vividos, monitorando funções vitais básicas como frequência cardíaca, pressão sanguínea e suor.
Após seis anos, os casais foram contatados novamente e os pesquisadores constataram que parte deles continuava casada e feliz, mas outra parte já havia se separado ou estava vivenciando um casamento infeliz. Os pesquisadores identificaram que os casais com problemas eram justamente os que haviam apresentado respostas fisiológicas mais ativas durante os testes de seis anos atrás.
Tranquilidade


Isso mostrou que quanto mais estressante era para o casal ficar lado a lado e falar sobre o relacionamento, mesmo quando se tratava de coisas positivas, mais chances eles tinham de ter desentendimentos. Já aqueles que continuavam felizes, haviam mostrado baixas taxas de excitação no teste, o que se traduziu em um comportamento mais calmo e confiante do marido e da esposa.
Num outro estudo, 130 casais recém-casados foram convidados a passar um dia em um laboratório que recriava ambientes típicos de um lar. No laboratório, os casais tinham de fazer o que normalmente fariam em suas próprias casas, como cozinhar, conversar, limpar. Durante todo o dia, cada cônjuge fez pequenos comentários tentando chamar a atenção do marido ou esposa. Alguns respondiam aos comentários com intimidade, demonstrando interesse e apoio ao cônjuge, mas outros simplesmente os ignoravam ou respondiam criticando o parceiro.
Após alguns anos, os casais que haviam mostrado maior cumplicidade no teste continuavam juntos e felizes, enquanto aqueles que se mostraram desinteressados aos responder os cônjuges estavam separados ou com o casamento em crise.
Erros
A partir desses dados, Gottman concluiu que entre os fatores que fazem um casamento durar está a bondade e a generosidade existente entre os cônjuges. Os casais que fracassam, explica Gottman, tendem a ver com mais ênfase os erros do parceiro, o que se materializa em atitudes de crítica, indiferença, desconfiança e desprezo pelo cônjuge. É como se tudo o que o outro é acabasse reduzido aos seus erros e defeitos.
Já nos casamentos felizes, marido e esposa são generosos um com o outro, o que não significa uma atitude passiva ou cega diante de eventuais erros, mas sim que as críticas são sempre pautadas pelo respeito e desejo de que o outro melhore. Além disso, há interesse e desejo de gratidão pelo outro.
Bondade  
Quando um dos cônjuges não se interessa pelo outro – por exemplo, ao ignorá-lo ou dar respostas frias demais – está abrindo caminho para um dos maiores fatores que leva o casamento a uma crise, diz Gottman.
Para o pesquisador, a estabilidade de um casamento está diretamente ligada à capacidade de cada cônjuge sentir-se amado e cuidado pelo outro. E para isso é preciso que o marido ou esposa tenha uma atitude de bondade contínua, manifestada através do respeito, carinho, atenção, interesse e boa vontade em relação ao parceiro.
Ele explica que embora alguns possam ver a bondade como um traço fixo do temperamento de uma pessoa, ela também pode ser entendida como um músculo, capaz de ser exercitada e desenvolvida continuamente. E é isso que os casais devem fazer: exercitar diariamente a bondade para com os seus parceiros.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...